Category: Fotografia

Debate: postar fotos no Instagram só vale se forem feitas com smartphone ou não?

Como fotógrafa, internauta-quase-24horas e geek assumida, sempre ouvi falar do Instagram, mesmo antes de tê-lo. Como tenho um aparelho com sistema operacional Android, faço parte da turma que teve que esperar eras para “brincar” com o aplicativo, uma vez que em seus primórdios ele só estava disponível para aparelhos da Apple.

Quando finalmente saiu a versão do Android, fui correndo baixar, testar, experimentar. Com o tempo, fui ficando um pouco decepcionada. Não com o programa em si, mas com os usuários. Inocente, eu ficava maravilhada com as fotos que eram ali publicadas. Ficava pensando “que aparelho celular será que essa pessoa tem, que faz fotos com qualidade tão excelentes?”Até que me dei conta de que estava caindo numa pegadinha. Muitas dessas fotos foram feitas por fotógrafos com câmeras digitais e posteriormente postadas no aplicativo.

Do meu ponto de vista, o objetivo do programa era tirar uma foto com seu aparelho móvel e publicar, mostrar aos seus amigos algo instantâneo, uma cena ou situação que você está vendo e quis registrar, mas tendo como acréscimo algumas ferramentas (filtros) pra deixar a foto visualmente mais interessante. E a minha decepção veio por perceber que as pessoas estava usando aquele canal muito mais como um portfólio, exibindo fotos feitas por câmeras digitais avançadas.

No meu pensamento, essa é uma desvirtualização do objetivo.  Se enquadra no mesmo quesito dos usuários do facebook reclamarem da chegada dos usuários do Orkut. É mudar, de modo negativo, o objetivo de se usar determinado programa. Quando o Instagram foi liberado para Android, os adeptos do iPhone disseram que o Instagram iria orkutizar. Mas a “orkutização do Instagram” pra mim é muito mais você mudar as regras do jogo do que qualquer outra coisa. Pode ser exagero, mas vejo isso como uma enganação aos seus seguidores.

Nos últimos tempos, tenho notado que isto está cada vez mais frequente. Talvez por eu ser fotógrafa, ter muitos amigos na área e consequentemente seguir muitos fotógrafos no Instagram, isso esteja sendo mais visível pra mim. Parei por uns dias pra analisar se eu é que interpretei o programa de forma errônea. Às vezes o objetivo dos criadores do aplicativo era que as pessoas postassem fotos de maneira geral, fotografados por qualquer meio, e eu é que estava sendo restrita demais.

Fui buscar notícias em sites e blogs, artigos escritos por usuários do programa, pra ver o que pensavam. E aí notei o seguinte texto no site do próprio aplicativo: “Tire a foto com seu iPhone, escolha um filtro para melhorar a imagem e envie-a para o Facebook, Twitter ou Tumblr…”. Descrição na loja da Apple: “ Transforme momentos casuais em trabalhos artísticos que você vai querer compartilhar com seus amigos….”. Descrição no Google Play (loja Android): “Escolha um de nossos vários incríveis filtros para dar uma nova vida à suas fotos de celular. Transforme momentos do dia-a-dia…”

O meu pensamento sempre foi muito simples: se fosse pra postar fotos feitas em qualquer outro dispositivo, o Instagram seria um aplicativo disponível também para desktops, algo como o Picasa, por exemplo, onde vc faz suas fotos, passa pro computador, coloca um filtro e joga nas redes sociais. O fato de o programa existir somente para aplicativos móveis me dá a ideia de que o objetivo seja postar fotos feitas com aplicativos móveis. Simples! E comprovado pelo próprio texto descritivo no site do programa.

Ou seja, você não vai postar as fotos feitas em RAW com sua DSLR e editadas no Lightroom. A proposta é “tirar foto de momentos casuais com seu smartphone, escolher um filtro e postar nas redes sociais. A fotografia linda que você fez no casamento do cliente, editou no Lightroom e postou no Instagram não tem nada de casual.

Mas queria muito saber a opinião de vocês, sejam usuários ou não do programa. Será que estou sendo muito “ranzinza” com a forma como os usuários estão utilizando o serviço? Será que estou exagerando ao me sentir enganada quando vejo uma foto lá, que não foi tirada com um aplicativo móvel?

Minha opinião é a de que existem dezenas de sites para utilização como portfólio. Flickr, 500px, blog, fanpage no Facebook e etc. Já o Instagram tem uma proposta diferente. E vocês, o que acham disso tudo?

* Todas essas fotos foram, claro, feitas com um smartphone. Para acompanhar estas e outras fotos das minhas andanças, procure por @amanda_almeida_fotos

 

 

A Massa do Galo. Um jogo de futebol do ponto de vista dos torcedores.

Nesta quarta-feira aconteceu a 3a rodada do Campeonato Brasileiro de futebol e fui ao estádio acompanhar o jogo Atlético-MG x Bahia. O jogo aconteceu no recém reinaugurado estádio Raimundo Sampaio, mais conhecido como Arena Independência. Este estádio acabou de passar por uma grande reforma e pode ser utilizado como Campo Oficial de Treinamento (COT) na Copa do Mundo que irá acontecer no Brasil em 2014.

Sou uma grande torcedora do Galo e ia ao estádio em quase todos os jogos até cerca de dois anos atrás, quando os dois estádios entraram em reforma para a Copa. Neste período, os jogos passaram a acontecer fora de BH e  fui poucas vezes. Finalmente liberaram o Independência cerca de 2 meses atras, para a final do Campeonato Mineiro. Fui no primeiro joga do final e vi meu Galo empatar com o América em 1×1. No final da semana seguinte, foi campeão.

Voltei nesta quarta com o intuito de fazer algumas fotos do estádio, da torcida e do time. Como não tenho acesso ao gramado, as fotos foram feitas das cadeiras da arquibancada. Quis registrar o jogo tendo a visão do torcedor. Para isso, registrei também a movimentação da torcida antes e depois do jogo, que pra mim é quase que a melhor parte da festa. A alegria dos torcedores, a cervejinha fora do estádio, as conversas, risos e cantos. Fiz questão de registrar a presença de famílias com seus filhos pequenos. Tudo numa harmoniosa paz, que é como sempre deve ser.

Documentário “Câmera Viajante” e a “verdadeira” fotografia.

Hoje, dando uma olhada na minha pasta sobre fotografia no computador, achei um documentário que adoro e que já revi várias vezes. Trata-se do “Câmera Viajante”, um curta de 20 minutos que mostra como é o trabalho de alguns fotógrafos no interior do Brasil, mais precisamente em Juazeiro do Norte, Ceará. Esta cidade é conhecida em todo o país pela imensa devoção que seus moradores tem pelo Padre Cícero – ou Padim Ciço, como eles dizem. Lá foi construída uma imensa estátua do padre, o que leva os fiéis a fazerem romarias para pedir ou agradecer determinado feito.

É em volta desta estátua, da fé e devoção das pessoas que o documentário foi registrado. Ele mostra o trabalho de alguns fotógrafos da região, que aproveitam um momento único na vida de muitas pessoas (o contato com a imagem do Padre Cícero) para realizarem seus trabalhos. É interessante ver como a fotografia é valorizada, como uma imagem representa muito para os romeiros. Mais do que uma prova de que realizaram a romaria, é a recordação de um momento importantíssimo na vida deles.

É muito bacana também ver como os fotógrafos realizam seus trabalhos, como conhecem (e até constroem!) seus equipamentos, como utilizam do marketing para conseguir vender suas fotos. Dá gosto de ver como eles realmente conhecem seu trabalho. Em um tempo onde quase todo mundo tem pelo menos um celular com câmera, é muito gostoso voltar ao tempo analógico da fotografia, onde só podia se considerar fotógrafo aquele que realmente tivesse conhecimento sobre o ofício. É apaixonante ver como os retratados se emocionam ao ver a foto, o que leva o próprio fotógrafo a se emocionar também.

“Os romeiros que vinham ‘praqui’, ninguém trazia máquina pra bater retrato, a gente é que batia retrato. Hoje em dia os romeiros que vem pra Juazeiro, cada um trás sua máquina, melhor de que a máquina que a gente tem. Tem romeiro que num trás nem máquina mais, tá trazendo filmadora pra filmar o Juazeiro. Nossa máquina num pega filme de jeito nenhuma, é feito as fotos no papel. Você faz a negativa e da negatva você revela pra fazer o positivo, com o mesmo papel.

Tem muita gente que pergunta pra mim se essa máquina (lambe-lambe) ainda funciona.
Eu digo “funciona!” E se não funcionar eu boto pra funcionar, que eu sei fazer a máquina, quanto mais consertar. Eu só não sei fazer a lente, o resto eu faço tudo”.

Chico Alagoano, fotografo lambe-lambe

Vale a pena assistir:

15 resoluções fotográficas para fazer de 2012 um ano de sucesso!

10 dias de janeiro já se passaram. Você ainda não fez suas resoluções de ano novo? Eu fiz uma listinha de ítens necessários pra se crescer profissionalmente na fotografia, e compartilho agora com vocês. São resoluções muito simples de serem colocadas em prática, por isso recomendo a todos seguirem ao menos algumas. E embora seja voltada para a fotografia, pode facilmente ser adaptada pra qualquer profissão.

*Este texto foi inicialmente publicicado no site “Fotografe um Ideia” , do qual sou uma das colunistas.

No final de ano é muito comum criarmos listas de resoluções para o ano que está chegando. Elas são fundamentais para guiar nossos objetivos ao decorrer dos próximos 365 dias. Há quem prefira seguir o estilo “deixa a vida me levar”, escolhendo uma vida de surpresas em vez de planejar coisas. É claro que ficar preso em uma lista e viver em função dela é exagerado e perigoso. O ideal é fazer com que a lista seja um agente motivador, que incentive a realizar os projetos e ter novas ideias

Como desejo que 2012 seja um marco na minha carreira, decidi fazer uma lista com foco total na fotografia. São resoluções simples e completamente possíveis de serem realizadas. São tarefas comuns a todos que fotografam profissionalmente ou apenas por hobby, então quis compartilhar com vocês.

1 – Compre ao menos um livro sobre fotografia por mês. Seja sobre técnica, biografia ou obra de algum profissional que me inspire. (E o mais importante: Ler, e não apenas deixá-lo parado na estante).
2 – Selecione os melhores sites de fotografia e coloque-os no feed de notícias para ter fácil acesso e ler sempre que tiver um tempo livre.
3 – Participe de ao menos dois grandes eventos nacionais (congressos, feiras, festivais), um em cada semestre.
4 – Participe de todas as palestras, debates e workshops que forem possíveis em sua cidade. (Dica: faça uma consulta prévia sobre os eventos que vão acontecer durante o ano e escolha aqueles que mais lhe interessar.).
5 – Dinheiro adquirido com a fotografia deve ser administrado separadamente de suas outras rendas. Desta forma, você consegue saber exatamente qual o lucro está tendo com esta profissão e consegue gerenciar melhor seu orçamento.
6 – Invista em um site personalizado e cartões de visita. Aprenda mais sobre marketing e mídias sociais. Guarde um tempo para administrar essas redes constantemente e se manter mais próximo dos clientes.
7 – Tenha projetos próprios. Fotografe para você também e não apenas para os outros. Inove, veja o que existe de interessante ao seu redor e elabore projetos diferenciados. Já pensou ter seu trabalho exposto em um centro cultural?
8 – Seja seu próprio curador. A cada período, faça uma limpeza no seu material. Analise suas fotos e delete sem culpa aquelas que não ficaram muito boas.
9 – Faça sempre o backup do seu material.
10 – De tempos em tempos, selecione suas melhores fotos e imprima. Não deixe tudo guardado apenas no computador.
11 – Seja ético sempre. Não prejudique os colegas de profissão cobrando um valor abaixo do que é justo para você e para o cliente.
12 – Compartilhe seu conhecimento. Escreva sobre algum assunto que você domina e envie para fóruns e sites de fotografia.
13 – Participe de ações voluntárias. Seja sozinho ou com um grupo de amigos, visite creches, orfanatos, asilos, hospitais. Converse com as pessoas, fotografe-as, imprima e dê a foto de presente para seu dono.
14 – Viaje o máximo que puder. Ter contato com outras culturas é essencial para ampliarmos nossa mente e olhar. E não precisa ir pra muito longe. O Brasil é enorme e aqui mesmo temos culturas completamente distintas. Dentro do seu próprio estado, você que encontrará coisas que nunca imaginou que tivesse tão perto de você.
15 – Imprima a lista e a tenha sempre em mãos para que possa ler freqüentemente, marcando aquilo que conseguiu realizar e dando atenção ao que ainda será feito. Seja perseverante!
Tem mais alguma sugestão? Algo que acha importante que deva ser acrescentado à lista? Compartilhe conosco nos comentários. Com muito esforço, planejamento e prática, tudo pode acontecer. Ainal, de que adiantam as idéias se não as colocamos em prática?

 

Up